Google+

17 de ago de 2013

Preciso de uma luz! Classificações sobre iluminação

Um projeto de iluminação vai além do objetivo de trazer luz onde não há, pois também se habilita a criar efeitos cênicos, trazer conforto ou aconchego, ampliar ou reduzir visualmente os espaços.

A primeira grande classificação dos tipos de iluminação é entre a artificial e a natural.

A iluminação natural é um recurso que traz leveza e diminuição do uso energético. Entretanto, mesmo o ambiente mais banhado de luz natural durante o dia requer luz auxiliar artificial durante a noite.

Iluminação natural. A janela inunda de luz do dia esta sala. Fonte: Casa Cláudia.

Iluminação natural: os brises são uma alternativa às portas e janelas, trazendo luz natural com  mais privacidade. Neste caso, o brise esconde a área de serviço. Fonte Casa Cláudia

A iluminação artificial se utiliza de basicamente três tipos de facho luminoso: direto, indireto e linear.

A iluminação direta é aquela recai diretamente sobre o objeto ou ambiente iluminado. Os pendentes, spots, e luminárias de chão são bastante usados com esta finalidade. Os pendentes têm ínúmeras funcionalidades: são usados para demarcar o centro do ambiente, separando-o de outro, para rebaixar visualmente o pé direito e também para trazer a o foco sobre algo que elege para isso.

Iluminação direta.  Pendentes e spots embutidos iluminam o ambiente

Já a iluminação indireta usa o teto ou as paredes como rebatedor da luz. É utilizada quando se pretende dar aconchego ou sofisticação ao ambiente. Normalmente se usa de sancas de gesso para este tipo de efeito. Quando a luz é direcionada para o teto, pode-se aumentar visualmente o pé-direito do ambiente.

Iluminação indireta cria um efeito chamado flutuante nesta lareira, garantindo sofisticação. Fonte: Casa Vogue.

É preciso lembrar que a classificação de fachos luminosos é apenas auxiliar, não rígida, e por isso surgem as classificações em semi-diretos e diretos-indiretos. Por exemplo: não podemos classificar, genericamente, os fachos luminosos gerados abajures, plafons e arandelas.

Arandelas. 1. Facho luminoso indireto. 2. Facho luminoso direto. 3. Facho luminoso direto-indireto

Plafons. 1. Facho luminoso direto. 2. Facho luminoso semi-direto

O terceiro tipo de facho luminoso é feito pela iluminação linear, utilizada para dar ênfase em detalhes arquitetônicos ou em peças específicas.

Iluminação linear. Aqui,  a iluminação é auxiliar para a bancada da cozinha como iluminação de tarefa e também de certa forma decorativa. Fonte: Casa Cláudia

A iluminação artificial também pode ser classificada como geral ou direcionada. Os próprios nomes são intuitivos: enquanto a iluminação geral é projetada para o ambiente como um todo, a iluminação direcionada tem um foco escolhido.

Não se pode confundir iluminação geral com iluminação direta, pois são classificações distintas. A iluminação geral pode ser feita tanto com iluminação direta quanto indireta.

Exemplo de iluminação geral indireta.

Entre as formas do tipo direcionada, podemos classificar em iluminação de tarefa, de destaque e de efeito.

A iluminação de tarefa é ideal para leitura ou algum tipo de trabalho manual.
Iluminação de tarefa. Uma luminária com facho luminoso direto ao lado da cama é usada para leitura antes de dormir. Fonte: Casa Cláudia

A iluminação de destaque é essencialmente decorativa e pode ser usada para diferentes finalidades.

Iluminação de destaque é muito utilizada para objetos em exposição, mesmo em residências.  Fonte: Minha Casa

Iluminação de destaque. Com o uso de um facho luminoso linear, temos ênfase no detalhe arquitetônico escolhido na lateral desta cozinha. Fonte: Arquitetura & Construção.

A  iluminação de efeito é orientada para momentos especiais, inspirada em eventos e festas.
Iluminação de efeito. Quero acreditar que este efeito violeta não seja para uso diário na cozinha, certo?


Resumindo:



Espero ter-lhe trazido alguma luz sobre o assunto!

Érica Marina



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...