Google+

24 de ago de 2014

O que procurar em um designer de interiores?

Algumas histórias, desabafos e surpresas de pessoas que estavam passando por uma reforma ou decoração me fizeram escrever este post. Minha intenção é direcionar quem se interessa pelo assunto a encontrar um designer de interiores cujo trabalho o satisfaça. Para mim é muito importante, mesmo que o profissional escolhido não seja eu, que cada relação designer-cliente seja bem sucedida! É claro que a opinião que deixo aqui reflete meu modo de trabalhar, contudo creio que poderá orientar pelo bom senso futuros interessados em projetos de interiores.


1- Projetar é preciso!

Algumas pessoas têm um dom nato e inquestionável de decorar sua própria residência. Outras não... e fica evidente a falta de projeto na maioria das residências que não tiveram um acompanhamento profissional. No caso, portanto, de você escolher um designer de interiores para o ajudar, é fundamental que ele lhe apresente um projeto.

Existem profissionais autodidatas no mercado que fazem maravilhas sem usar programas de software específicos, mas é importante que ele consiga lhe mostrar de alguma forma o que pretende fazer, antes que você invista seu dinheiro em algo que não vá gostar.

Nos meus projetos, tenho percebido que o uso de imagens em 3D é determinante para que não hajam alterações após o início dos trabalhos, fazendo com que o resultado final tenha uma unidade harmônica e agradável ao cliente. Contudo, o 3D não é fundamental, o importante é que o cliente "vislumbre" como será  o resultado do projeto.

2 - Possibilidade de mudar de ideia

Já ouvi histórias de pessoas que querem sair correndo do escritório do designer após a apresentação de seu projeto! O que fazer se você já tiver firmado um contrato com ele?! Por outro lado, eu entendo que o profissional não deve dispor de seu tempo e esforços de projeto sem ter garantido que será remunerado. A forma com que eu trabalho para conciliar os dois interesses é garantir em contrato duas modificações do projeto inicial. Entretanto, acho importante esforçar-se para que o desenho inicial já procure firmemente atender ao cliente em suas necessidades e gosto pessoal. Por isso, devem existir entrevistas iniciais (briefings) para que o profissional capte essas características.

3 - Atendendo ao seu estilo

Além da funcionalidade do projeto, o cliente sempre procura que o estilo de sua residência reflita a sua personalidade, não a de quem projetou. Por mais que pareça óbvio, nem sempre é assim... Por isso, dê sempre uma olhada no portifólio do designer que irá lhe atender. Uma grande parte dos profissionais  no mercado trabalha com um estilo pré-definido. Se você perceber que os projetos de um portifólio são apenas variações do mesmo estilo, certifique-se de que é o que você procura. 

Alguns outros designers de interiores, assim como eu, procuram buscar e atender no projeto não só as necessidades funcionais, mas também ao estilo do cliente. Você saberá identificar isso em um portifólio variado. É claro que, mesmo variando o estilo, cada designer de interiores tem uma espécie de "assinatura" visual em seus projetos. Então procure identifica-lá e perceber se agrada.

4 - Sintonia cliente-designer

Sua casa ou apartamento deve mexer com suas emoções. Afinal, é você quer irá morar lá! Enquanto se dá andamento ao projeto, é fundamental que a sua relação com o profissional de interiores seja a melhor possível! Eu recomendo que nem comece se não simpatizar-se com ele. Pode parecer algo irrelevante, afinal, estamos tratando de um profissional... mas o designer irá invadir sua vida para interferir no seu lar. Um bom relacionamento fará toda a diferença!

5 - Transparência

Uma característica para a sintonia necessária é a transparência do profissional em tudo: a forma como conduz o projeto ou os trabalhos, a prestação de contas, as suas intenções e até mesmo a sua qualificação para o projeto em questão. No caso de designers de interiores, é preciso um outro profissional associado (arquiteto/engenheiro) que se responsabilize pelas reformas estruturais caso sejam necessárias. Se o profissional é arquiteto, ok. Mas alguns não-arquitetos fazem questão de não deixar isso claro.

6 - Respeitando seu orçamento

É quase regra que o cliente sempre irá gastar mais do que previa inicialmente. Isso acontece especialmente com clientes empolgados (os meus sempre são!)! Nesse caso, eles acabam abrindo uma concessão para acrescentar algo que o tenham feito se apaixonar e do qual não vão abrir mão, mesmo que gastem um pouquinho mais. Mas isso deve se restringir apenas a esses casos de amor! Um cliente falido não será satisfeito nunca e sempre há possibilidades de flexibilizar o orçamento garantindo efeitos similares e mantendo as intenções iniciais do projeto.

Para mim, essas características são todas fundamentais!


Érica Marina

2 comentários:

  1. É legal deixar esses esclarecimentos às pessoas... muitos nem conhecem o trabalho de um designer de interiores.
    Parabéns por tirar nossas dúvidas!

    Abraço
    Meu blog: Izabel Pariz Art Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Izabel! Percebi que era importante esclarecer essas dúvidas.

      Obrigada pelo comentário!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...