Google+

1 de abr de 2015

Sobre o paisagismo sustentável

Desmistificando soluções: uma reflexão importante em tempos de crise hídrica

Foto: Skygarden

Estive em 19 de março no 4º Fórum de Palestras do Clube Mais, "Ferramentas para a Sustentabilidade" realizado na cidade de Ribeirão Preto. Adorei o evento e agradeço à Clube Mais pelo convite! Entre as palestras que tive o prazer de assistir, a de Ricardo Cardim, sobre Paisagismo Sustentável trouxe novos conceitos e esclareceu alguns dos equívocos em torno da questão.

O tema é muito interessante devido ao fato de que é comum acreditar que incluir paisagismo no projeto arquitetônico já é, por si só, algo que acrescenta sustentabilidade. A palestra nos mostra que não é bem assim, algumas premissas devem ser observadas. Entre elas estão:
  • Atenção à funcionalidade ecológica do projeto mas não somente à sua estética
  • Resgate da biodiversidade nativa regional
  • Incremento dos serviços ambientais
  • Educação ambiental
  • Respeito à paisagem natural
  • Baixo impacto ambiental na implantação e manutenção

Um dos pontos destacados na palestra é que o projeto contemple o resgate da biodiversidade nativa regional. A primeira questão importante a se considerar para tanto é o conceito de espécie nativa. Nas palavras de Ricardo Cardim, "quanto mais local melhor". Isso significa que não adianta que a espécie seja de outro local do Brasil, distante do projeto e com outro tipo de bioma, por exemplo.

Essa preocupação de resgate das espécies vegetais nativas tem a ver com a recuperação da biodiversidade como um todo, atraindo novamente aves, insetos e pequenos animais típicos daquele local (bioma).

Outra questão muito importante nos dias atuais é o paisagismo como ferramenta de combate à crise hídrica. É importante ressaltar, como mostra o palestrante, que não é com o uso de espécies desérticas que se combate essa crise. Apesar de este ser um mito propagado, as espécies desérticas, embora não consumam muita água, também não colaboram com a formação de nuvens, pois não fazem serviço ambiental (não transpiram umidade). Então, pelo contrário, é a planta nativa, mais adaptada à região, que irá não só sobreviver à crise hídrica como também colaborar para mitigá-la.

Além disso tudo, o uso do paisagismo sustentável implica facilidade de manutenção das áreas verdes projetadas bem como rapidez no crescimento das espécies e preenchimento do espaço. Essa densidade vegetal é importante para mitigar a incidência solar e melhorar a qualidade ambiental do entorno do projeto paisagístico. Se este for bem realizado, também colabora com a drenagem da água de chuva, reduzindo a participação em processos de inundação.

Segue parte da introdução à palestra a que nos referimos:



Palestrante: 
Ricardo Cardim, Ambientalista e Mestre em Botânica pela USP, Botânico da SkyGarden, apresenta um trabalho de referência em biodiversidade nativa urbana.  

** Publicação do vídeo e seu conteúdo autorizada pelo palestrante.


Redação: Érica Marina

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...